Como ficar rico sendo empregado: o segredo revelado - GERAÇÃO 65 | liberdade financeira e vida equilibrada

2 de abril de 2018

Como ficar rico sendo empregado: o segredo revelado

Como ficar rico sendo empregado? Às vezes eu tenho a sensação de que o dia é muito curto para finalizar uma quantidade enorme de atividades: discussões intermináveis, reuniões prolongadas, múltiplas decisões, viagens, interrupções a todo o momento...  Eu trabalho igual a um burro e não consigo ficar rico.


Como ficar rico sendo empregado?


Não nasci em berço de ouro e por isto segui piamente o conselho dado pelos meus pais. É um conselho tão comum e citado no livro best seller Pai Rico, Pai Pobre de Robert Kiyosaki:
Filho, quero que você estude muito e que tenha boas notas para que você possa conseguir um bom emprego em uma grande empresa e que esta lhe traga grandes benefícios.

Não considero essa citação um péssimo conselho, como muitos insistem em pregar pelos quatro cantos do mundo, trata-se apenas de uma recomendação incompleta.

Além do conhecimento adquirido na escola formal, é de fundamental importância a busca por conhecimentos relacionados ao mundo das finanças. Com o passar dos anos será percebido que o conhecimento financeiro aliado à experiência de vida tornará capaz a criação de condições propicias à idealização de projetos geradores de renda passiva.


Renda passiva é um dos pilares na construção de uma vida financeiramente tranquila. Quem quer ficar rico sendo empregado terá que ser capaz de perceber ou criar estas fontes de renda.

Não importa se uma pessoa resolveu empreender e abriu um negócio próprio ou insiste em continuar na vida de empregado, uma vida financeiramente tranquila ou até mesmo a liberdade financeira é possível a todos.

Depois de anos conversando com um e com outro, lendo alguns livros e tomando tombos na vida, cheguei à conclusão de que um bom plano aliado aos conhecimentos ligados às finanças pessoais é fundamental para se alcançar o sucesso financeiro no longo prazo.

Mas, antes de sairmos traçando planos, é importante refletirmos sobre alguns pontos importantes que nos ajudarão a iniciar nossa caminhada rumo a uma vida tranquila e equilibrada.

Vamos a eles:


Mente aberta! Será muito prazeroso compartilhar alguns pontos de vista e ainda obter a sua opinião a respeito.

Sigamos em frente!

Afinal, o que é trabalho?

A palavra trabalhar vem do latim tripaliare que significa sofrer no tripalium. Tripalium vem da junção dos elementos tri e palum que significam respectivamente três e madeira. Tripalium era um instrumento de tortura na Roma antiga formado por três estacas de madeira.

Os escravos e pobres daquela época, por não terem condições de pagar os impostos, eram submetidos

a sofrimento, dor e exaustão física no tripalium. Nesse período, portanto, trabalhar significava sofrer no tripalium. Era suportar a fome, sede, extenuar-se, acabar-se na labuta, enfim, era sofrer as torturas no trabalho.

Por falar em tortura, como são as suas noites de domingo sabendo que no dia seguinte você terá que acordar cedo e ir ao trabalho?

Melancólicas?

Muitas pessoas vêm o trabalho como algo muito penoso ( tripalium)., pois no dia seguinte terão que enfrenta-lo em meio a muito sofrimento.

A partir do século XIV o trabalho começou a ter o significado que conhecemos hoje: "aplicação das forças e faculdades (talentos, habilidades) humanas para alcançar um determinado fim" e complementando, “como resultado dessa atividade tem-se uma recompensa, em geral na forma material”.

Não levando em consideração a etimologia do termo trabalho, é muito importante aceitarmos o fato de que quem dá o sentido ou o devido significado ao que fazemos somos nós mesmos e isto vai determinar o grau de dedicação que iremos dispor à execução das atividades.

Se considerarmos o trabalho como sendo uma atividade que tem um forte significado, estaremos motivados a exercê-lo, caso contrário ele se tornará apenas um meio de sobrevivência, uma tortura... Um castigo.

Não podemos nos esquecer de que passamos pelo menos, 1/3 de nossa vida trabalhando, portanto, não devemos fazer do nosso trabalho um sacrifício diário.

Deve ficar claro que a principal fonte de renda de quem quer desfrutar de uma vida financeiramente tranquila ou quem quer ficar rico sendo empregado ou ainda quem quer atingir a independência financeira advém do trabalho. Não há como fugir disto.

Quando leio a biografia de alguém que teve sucesso ao construir sua carreira ou negócio próprio, percebo alguns capítulos recheados de passagens nas quais a personagem atravessa por enumeras provações e trabalho pesado, mas de maneira alguma elas demonstraram qualquer tipo de sofrimento.

Qual o segredo destes empreendedores para se alcançar o sucesso?


Como ficar rico: o segredo por trás das histórias de muitos empreendedores

Eu adoro as histórias de superação das pessoas que criaram um negócio de sucesso do zero. Estas biografias me despertam o desejo de empreender, mas todo o cuidado é pouco, não é mesmo? Ainda me falta coragem.

Abaixo uma amostra da biografia de algumas personalidades inspiradoras que, sem sombra de dúvidas, têm suas histórias marcadas por diversos obstáculos que pareciam intransponíveis.

  1. Luiza Trajano (Magazine Luiza) - Luiza começou a trabalhar como balconista na loja dos seus Tios.
  2. Flavio Augusto da Silva (Wise Up) – Fundou uma escola de inglês aos 20 anos, a WiseUp. Incialmente usou apenas vinte mil reais do cheque especial a uma taxa de 12% ao mês e ofereceu um curso de inglês direcionado aos adultos com duração de 18 meses.
  3. Jan Koum (WhatsApp) - O empreendedor nasceu em um pequeno vilarejo na Ucrânia em 1976, sendo o único filho de uma dona de casa e um mestre de obras. Vivia com ajuda do governo e anos depois fundou o WhatsApp.
  4. J. K. Rowling (Harry Potter) - Joanne Rowling escreveu o primeiro livro da série Herry Potter durante uma crise financeira pessoal, processo de divórcio do primeiro marido e nascimento da primeira filha.
  5. Ralph Lauren (Ralph Lauren) - Estilista conhecido pela marca Polo e por ser um ícone da moda. Nasceu em uma família de judeus da classe trabalhadora e usava as roupas que seus irmãos já haviam usado.

Não posso esquecer-me de citar os empreendedores anônimos que começaram do nada e conseguiram montar hipermercados, rede de lojas ou pequenas empresas de prestação de serviços.

Tive a felicidade de conhecer e conviver com uma meia dúzia destas pessoas que ao longo de alguns anos ajudaram a forjar parte da minha maneira de encarar a caminhada rumo à independência financeira.

Não tenho dúvidas que estes empreendedores, famosos ou não, se esforçaram muito até alcançarem o patamar que hoje se encontram. Eles trabalharam bastante e de maneira inteligente, ou seja, criaram condições à construção dos seus negócios.

Façamos uma breve reflexão: trabalhar é um verbo e, portanto, exige uma ação. Fazendo um paralelo com a atividade agrária de trabalhar a terra, esta ação pode se dar basicamente de duas maneiras:

  • Através do sacrifício: é labutar usando a força física como pegar numa enxada e movimentar a terra até a exaustão. 
  • Através do prazer: é trabalhar de maneira inteligente, ou seja, estudar maneiras eficazes de movimentar a terra obtendo uma melhor relação custo/benefício. 

Os empreendedores de sucesso planejam, executam, acompanham e reavaliam suas ações com objetivo de atingirem suas metas. Com toda a certeza trabalho nada fácil!

Devemos estar focados no que é mais importante, sempre e ponto final. Devemos dispensar o tempo que temos disponível em atividades que poderão melhorar a nossa qualidade de vida.

Assim como os corajosos empreendedores, se eu quiser ter sucesso na vida e ficar rico sendo empregado terei que trabalhar muito não somente com o corpo, mas também com a "cabeça".


Tempo ou dinheiro, qual tem mais valor?

Pouco famosa é a frase do filósofo grego Teofrasto (372-288 A.C): tempo custa muito caro. Porém, com base em algumas leituras da obra deste pensador, Benjamin Franklin (1706-1790) proferiu a famosa frase: tempo é dinheiro (times is Money).

Mas será que tempo é dinheiro mesmo?

O pesquisador Neil Fiore, especialista em produtividade pessoal, fez uma fantástica citação:
Existe um mito que tempo é dinheiro. Na realidade, tempo é muito mais precioso que dinheiro. É um recurso não renovável. Uma vez que você o gasta, e se você o usou mal, ele se foi para sempre.
Esta citação traduz muito bem o valor do tempo na vida das pessoas.

O dinheiro poderá ser mal gasto, perdido, mas sempre haverá como fazer mais. Mas o tempo perdido jamais poderá ser recuperado. Portanto, tempo não é dinheiro, é muito mais valioso.

Suponha que o tempo seja a única moeda de troca e não mais o dinheiro, como seria conduzido o nosso dia a dia e nossas relações? Este é um ótimo exercício mental e base do enredo de um filme de ficção científica que vale a pena investir algumas horas para assisti-lo.

O filme é do diretor de cinema, Andrew Niccol (2011) intitulado: O Preço do Amanhã (In Time) . A história se passa em um futuro próximo, onde o envelhecimento passou a ser controlado evitando-se a superpopulação. Desta maneira, o tempo tornou-se a principal moeda de troca que garante a sobreviver e a obtenção de luxos.

Se o tempo é mais valioso que o dinheiro, é incoerente o fato de como conseguimos desperdiçar tanto tempo em coisas que não irão nos trazer qualquer tipo de benefício:

  • Quem nunca perdeu tempo com alguma atividade abaixo? 
  • Realizar trabalhos que não nos motivam. 
  • Passar horas em redes sociais. 
  • Realizar tarefas sem um propósito definido. 
  • Ficar horas à frente da TV “passando o tempo”.  

Quando comecei medir o tempo como parcela da minha vida, passei a me preocupar em gastar o tempo com qualidade. De maneira alguma vou desperdiçar um minuto do meu precioso e finito tempo em algo que verdadeiramente não trará valor.

Se eu estou buscando ter tranquilidade financeira ou, indo mais além, ficar rico sendo empregado, nada mais óbvio que a manutenção do foco neste propósito, assim, o tempo será dispensado com objetivo de me informar e procurar maneiras de ganhar dinheiro e obter renda passiva.

É muito cristalino que, no nosso dia a dia, o aproveitamento do tempo é fundamental, tanto que os relógios não nos deixam esquecer isto. Todos os nossos planejamentos são cronometrados com objetivo de não nos perdermos em meio ao caos.

Porém, você já percebeu que existem momentos isentos de qualquer tipo de marcação e que eles são tão importantes quanto respirar? São momentos essenciais à manutenção do equilíbrio do corpo e da alma.

Afinal, que tempo é esse?

No artigo, "Investimentos: uma viagem lenta à liberdade e independência financeira?", publicado no blog Viagem Lenta, o autor discorre sobre a diferenças entre o tempo cronológico e o tempo oportuno e o impacto deles sobre a nossa decisão de alcançar a liberdade financeira e uma vida equilibrada, recomendo a leitura.


Como ganhar dinheiro sem esforço?

A busca do segredo de como ganhar dinheiro fácil... Grande perda de tempo. Sejam por desespero ou ganância muitas pessoas ainda correm atrás desta bobagem.

O dinheiro pode ser conseguido basicamente de duas maneiras:


  • Trocando o tempo por dinheiro: executamos atividades em alguma empresa, negócio próprio ou instituição em troca de uma remuneração.
  • Colocando o dinheiro a trabalhar para você: investimos com objetivo de multiplicar o capital e adquirir patrimônio que irá gerar renda.

Eu estou fazendo dinheiro das duas maneiras: possuo um emprego e recebo meu salário mensal. Reservo uma parcela da remuneração com intuito de investi-la no mercado financeiro e receber juros ou adquirir imóveis e receber renda de aluguel.

Você e outros podem me perguntar: G65, você acredita que poderá ficar rico sendo empregado?

O tempo dirá, mas uma coisa é certa, tenho boas chances de, juntamente com a família, me encontrar em um patamar de tranquilidade financeira bem melhor do que o que nos encontramos hoje.


Ajudando o patrão a ficar rico

Minha rotina de trabalho é bem rígida. Literalmente pulo da cama às seis horas em ponto. Faça sol ou faça chuva, pego o ônibus às sete e inicio minhas atividades trinta minutos depois

O tempo dedicado ao trabalho pertence à empresa, portanto, é o patrão quem determina a atividade que será realizada nesse período e ponto final.

É uma pena que boa parte dos meus colegas de trabalho irá passar quase uma vida inteira recebendo uma remuneração que muitas vezes irá se perder ao longo do mês por falta de conhecimentos básicos de gestão financeira.

Ao final do ciclo profissional, eles não terão condições de sobreviverem por conta própria e ficarão na dependência do governo e de parentes de maneira a garantirem as próprias subsistências. A maioria ainda não descobriu outra forma de fazer dinheiro que não vendendo o tempo. Uma pena!

Vale citar que muitos empresários de destaque ou investidores de sucesso já foram excelentes funcionários em alguma empresa. Eles criaram, ao longo de suas vidas profissionais, condições que os permitiram escolherem a maneira que caminhariam em direção aos seus sonhos: construindo negócios ou investindo no mercado financeiro, por exemplo.

Não há um caminho certo ou errado, há o caminho que mais se adequa ao perfil de cada um. Posso me tornar financeiramente tranquilo e até rico apenas trabalhando como empregado, sem precisar abrir um negócio próprio.

Ainda tem gente que insiste em me azucrinar: "ninguém pode ficar rico sendo empregado".


Ficar rico sendo empregado, como?

“Você nunca vai ficar rico trabalhando para outra pessoa.”

Quantas vezes já me dirigiram estas belas palavras "de incentivo"?

Eu não me sinto confortável em deixar a segurança de uma posição assalariada e partir rumo a um negócio próprio. Tenho boas razões que me levam a pensar assim:

O salário é uma renda:

  • Segura 
  • Previsível 
  • Periódica 

E se eu perder o emprego? Ficarei sem a renda do trabalho. O FGTS poderá ser uma boa ajuda na travessia da fase de desempregado até conseguir uma recolocação no mercado.

E se o empreendedor falir? Perderá a renda e irá elevar a quantidade de dívidas.

Segundo uma pesquisa feita pela Endeavor, em 2013, quem pensa em se tornar um empreendedor em tempo integral, terá que obter renda média de pelo menos 35% superior à renda proporcionada pelo emprego atual de maneira que o seu padrão de vida seja mantido.

Em várias empresas existem executivos de alto nível com elevados salários, opções de ações e bônus que os tornam milionários ano após ano. Porém, a grande maioria das pessoas não ocupam níveis elevados na hierarquia de uma empresa e, será que devido a isto, não terá chance de se enriquecer?

Sempre tem aquela pessoa que sonha alto e quer curtir a vida logo e por vezes ostentar o que não pode.

"Quero ficar rico a qualquer custo".

Nas festinhas de final de ano sempre surge algum “inocente” que se acha iluminado e descobriu o segredo de ficar rico sendo empregado.

Essa vontade de enriquecer da noite para o dia é a oportunidade que muitos gurus percebem para venderem sonhos aos apressadinhos e desinformados.

Os criativos gurus criam manuais mágicos com títulos mirabolantes:

  • Como ficar rico sendo pobre. 
  • Receita para ficar rico em uma semana. 
  • Segredo revelado: como ganhar na mega-sena. 

Então, seguindo esta mesma linha, eis aqui o meu manual: como ficar rico sendo empregado.

Brincadeira à parte, muitos sabem como ficar rico sendo empregado, não há segredo algum, porque haveria?

Siga o senso comum, a receita (o segredo) é simples:

  • Trabalhar muito: elevar a renda advinda do trabalho.
  • Poupar de forma agressiva: favorecer aportes elevados
  • Investir de maneira inteligente: adequar os investimentos de melhor rentabilidade ao seu perfil.
  • Ter paciência: Executar este plano por um período longo.

Estas ações são capazes de elevarem as chances de se chegar a uma vida financeira confortável.

Apesar de a receita ser muito simples e óbvia, sua execução exige esforço e dedicação.

Com base no que vimos até o momento, você está disposto a iniciar a caminhada para ficar rico sendo empregado?

Se você faz parte do pequeno exército disposto a partir para a longa batalha, sigamos em frente.

Vamos à busca de uma vida financeiramente tranquila, sem abrir mão da segurança de trabalhar para outra pessoa.


Liberdade financeira: você está se preparando para a jornada?

Já que somos empregados, a primeira coisa a fazer é começar a desenvolver algumas atitudes, como as listadas a seguir:

  • Desenvolver a capacidade de liderança. 
  • Manter um padrão de vida abaixo da sua remuneração. 
  • Investir na profissão, ser um expert. 
  • Investir em estudos sobre finanças. 
  • Investir, com sabedoria, uma parcela da remuneração. 
  • Desenvolver um nicho dentro de empresa. 
  • Construir fortes relacionamentos com tomadores de decisão. 
  • Assumir responsabilidade adicional. 
  • Desenvolver a paciência e persistência. 
  • Elogiar os outros, quando pertinente. 

Você percebeu que a resiliência é fundamental ao nosso desenvolvimento em uma organização? Além disto, competência, networking e uma ajudinha do universo de forma que este conspire a nosso favor são muito bem vindos.

Meu amigo, teremos que ser muito competentes de maneira a atrair os bons empregos e consequentemente as melhores remunerações.

E o que isto significa?

Maiores aportes na nossa carteira de investimento, yes!!

Não se iluda, atingir a liberdade financeira não é para todos, você não poderá ser um empregado mediano.

Se vamos nos tornar um empregado acima da média, mais alguns pontos merecem nossa atenção:

  • Não fazer do nosso trabalho um sacrifício diário.
  • Não trabalhar demais e esquecer a família.
  • Tempo é mais valioso que o dinheiro.
  • Se há a necessidade de vender o tempo com objetivo de fazer dinheiro, que o venda pelo maior valor possível.
  • Direcione parte do dinheiro obtido do trabalho e adquira patrimônios que gerem renda passiva.
  • Estamos iniciando a nossa caminhada rumo à independência financeira, sem pressa.

Eu fiz planos com objetivo de, ao longo dos anos, obter receita advinda menos da força de trabalho e mais do patrimônio adquirido.

Ter planos para o futuro não é garantia alguma de que os objetivos serão alcançados, mas eleva bastante a chance da meta ser atingida: ter uma vida financeiramente tranquila e equilibrada e quem sabe ficar rico sendo empregado ou ainda, na melhor das hipóteses, conquistar a liberdade financeira.

Devido a vários acontecimentos ao longo dos anos os planos passam por revisões, o que é normal, mas nunca deverão ser abandonados.

Meu plano já foi modificado algumas vezes, mas os objetivos iniciais continuam intactos:

  • Poupar regularmente com intuito de investir. 
  • Acumular patrimônio capaz de gerar renda acima dos meus gastos. 
  • Desenvolver-me profissionalmente a ponto de ser uma referência na empresa. 
  • Criar fontes de renda passiva que funcionem sem minha intervenção significativa. 

Enfim, estou seguindo exatamente os passos do “segredo” de como ficar rico sendo empregado.

Ao longo da jornada rumo à liberdade financeira e vida equilibrada, tenho a convicção que passarei por um profundo processo de autoconhecimento. Terei que me aprofundar em assuntos relacionados à finanças pessoais e maneiras de criar fontes de renda passiva através de investimentos financeiros e negócios próprios.

Estes tópicos são básicos e fundamentais para que nosso plano seja bem executado e possamos curtir a vida sem depender da aposentadoria oficial. Que bom será trabalhar no sentido de fomentar alguma transformação para a sociedade, mas sem precisar ser remunerado por isso.

Será uma fase de viver a vida de maneira plena, degustando cada momento junto à família e os amigos.

Se você ainda não está se preparando para a jornada, comece. Inicie o planejamento do seu futuro e não desperdice tanto tempo em atividades que não irão te trazer algum benefício. O tempo é muito valioso e finito, já discutimos isto.

Se daqui a alguns anos eu não atingir a meta, sem dúvida alguma me tornarei uma pessoa melhor, o que por si só é um fantástico bônus.


Considerações finais

Gostando ou não, devo trabalhar, pois tenho contas a pagar. Sei que a vida não é feita apenas de boletos, há momentos prazerosos que devem ser deliciosamente apreciados, nunca poderei esquecer isto.

A busca por ficar rico sendo empregado é algo legítimo, afinal, quem não quer uma boa segurança financeira? O esforço e a dedicação ao trabalho é notoriamente enorme

Mas nada valerá a pena se não dermos a devida atenção à família, à saúde, às amizades e ao próximo.

É imprescindível praticar o básico das finanças pessoais: orçamento doméstico bem organizado.

A caminhada em direção à liberdade financeira não é fácil. Já passei por muitas frustrações, sede por sabedoria, questionamentos, solidão...

Descobri que meu maior inimigo ao longo da jornada sou eu mesmos. Sou mestres em sabotar meus próprios planos. Mas isto está mudando.

É necessário que ao longo da jornada se passe por um profundo processo de transformação interna – um avanço no autoconhecimento. Estaremos nos tornando pessoas mais fortes e dispostas a oferecer o melhor de nossas habilidades ao mundo. Isto é excelente, não é mesmo?

Pelo que discutimos ao longo do artigo está perfeitamente evidente que a independência financeira é possível mas, definitivamente não é para todos, porém, o que nos impede de tentar alcança-la?

Caro leitor, novamente te digo, arregace as mangas e mãos à obra. Estamos nessa juntos.



Deixe um comentário sobre o que você mais gostou nesse artigo, ou sobre algo extra que você deseja compartilhar conosco ou até mesmo alguma crítica sobre esse texto.

2 comentários:

André disse...

Excelente artigo, G65!

Com uma abordagem completa, falou das inúmeras variáveis que nos impelem (ou impedem) a conquista da independência financeira! A noção de que o tempo é mais importante (dinheiro é apenas um meio de se comprar tempo) e que a maior responsabilidade é apenas nossa, são, no meu entendimento, os alicerces fundamentais nessa jornada.

Grande abraço e obrigado pela citação!

Geração 65: Liberdade financeira disse...

Olá, André.

A caminhada para se conquistar a independência financeira não é fácil e o seu artigo foi um dos poucos que já li que complementam muito bem a importância do tempo nessa jornada.

Concordo contigo: "dinheiro é apenas um meio de se comprar tempo."

Quando se tem a verdadeira liberdade financeira, o tempo está disponível para uso próprio. Ele poderá ser utilizado como bem se entende: leituras, trabalhos sociais, diversão, estudos, ajudar o próximo e etc..

O tempo não precisará ser vendido para se obter renda, pois o dinheiro que se tem é capaz de "comprá-lo" para uso próprio.

Abraço e bons investimentos.

Postar um comentário

Fica a critério do administrador do blog GERAÇÃO 65 excluir comentários considerados ofensivos ou que contenham palavras de baixo calão.